O dia que minha filha me deu uma lição

Hoje foi o dia que vai ficar marcado pra sempre pra mim. Foi o dia que minha filha de 4 anos me deu uma lição.

A Yayá (Yasmin) é uma menina muito carinhosa, brincalhona e decidida. Desde pequena a gente brinca na piscina, ela nada sem boia desde os 3 anos. Uma das brincadeiras que faço é jogar ela e o irmão pra cima e jogo o máximo que consigo. Hoje estávamos na piscina e joguei o Yan. Risadas. Peguei ela e perguntei se podia jogar, ela disse que não com a cabeça, mas joguei mesmo assim, afinal sempre brincamos disso. Ela saiu chorando da piscina e foi sentar longe.

Comecei a chamá-la dizendo que eu estava brincando, que eu não ia jogar mais pra ela voltar pra piscina. Nada. Insisti e acrescentei um pedido de desculpas. Nada. Então eu disse:

-Yayá, o que que foi, linda?

Ela olhou pra mim e gritou:

-NÃO É NÃO!

Só isso. Só isso foi o suficiente. Eu não vou conseguir descrever como eu fiquei envergonhado. Eu me senti um farsante. Do que adianta achar que tem consciência das coisas e não respeitar a própria filha? Mas eu tinha que agir rápido e falei:

-Você esta certa, Yayá. Vem aqui comigo. Senta aqui (e bati na beirada da piscina).

Ela veio, chorando ainda e sentou. Olhei pra ela e disse:

-Eu estou muito orgulhoso de você, tá bom? Você fez tudo certo e o papai que fez tudo errado. Você me desculpa?

Ela me abraçou e sorriu. Completei:

-Só uma coisa que você pode fazer diferente. Ao invés de chorar, olha bem brava e grita NÃO É NÃO!

Ela fez a careta dela e perguntou se era assim. Acenei e voltamos a brincar mas sem jogar. Ela gosta de brincar de golfinho, ela gruda nas minhas costas, segura no pescoço, prende os pés na minha cintura e mergulhamos juntos.

Porém toda a situação não saiu da minha cabeça o dia todo. De um lado a minha vergonha, me sentindo um hipócrita… pois eu levo a sério a frase ‘suas atitudes falam tão alto que eu não consigo ouvir o que você diz.’. Do outro lado um orgulho tremendo por ter conseguido junto com a Kátia, ensinar pra nossa filha (que só tem 4 anos) que NÃO É NÃO e ela realmente expressar isso.

Este post não tem nada demais a não ser o relato de um pai envergonhado e orgulhoso ao mesmo tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *